ABEF reúne empresas para analisar mercado e desenvolver estudos de custos de serviços

 

A ABEF realizou mais um encontro de empresas de engenharia de fundações e geotecnia com a finalidade de analisar o mercado pós eleições e desenvolver estudos de custos de serviços do setor, considerando elementos como BDI e despesas com tributos, pessoal, equipamentos etc.

 

A maioria dos empresários concorda que o governo recém-eleito já trouxe de volta a segurança jurídica necessária para investimentos internos e estrangeiros e, provavelmente, realizará obras de infraestrutura, mas considera o mercado ainda lento, em função da grande crise político-econômica originada em 2014.

 

Acredita-se que a expressiva retomada das obras somente ocorrerá quando o novo governo, efetivamente, implementar reformas como a previdenciária e a tributária, dentre outras medidas, o que, infelizmente, demanda tempo, considerados os processos legais e burocráticos complicados. Num cenário otimista, os empresários arriscam apostar em 2020, por isso, toda cautela é necessária, com redução de despesas e minimização de erros. Esse encontro promovido pela ABEF foi muito positivo, conforme avaliação dos presentes, cerca de 30 importantes empresários do setor, uma vez que proporcionou grande troca de informações e conhecimento.

 

O Diretor Presidente da ABEF, Eng. Gilberto Manzalli, da associada SONDOSOLO,  propôs que os presentes participassem de grupos de trabalho para o desenvolvimento de estudos de custos de serviços, inclusive para contribuir com o DNIT e a Caixa Econômica Federal, consideradas as defasadas referências publicadas por tais órgãos, respectivamente, nos sistemas SICRO e SINAPI, quanto aos valores dos serviços de fundações e geotecnia – muito aquém da realidade.

 

Na oportunidade, voltou-se a falar dos atestados de regularidade jurídica e de capacidade técnica, emitidos pela ABEF às empresas associadas, conforme regulamentos próprios, essencialmente, quando atendidas as exigências legais (certidões negativas de tributos etc) e demonstrado, por acervos e medições, a execução de obras bem sucedidas, conforme boa técnica do consagrado Manual da ABEF, observadas, ainda, as normas da ABNT e NRs do Ministério do Trabalho, lembrando que a Comissão Julgadora do Atestado de Capacidade Técnica é completamente isenta e imparcial, sendo composta, além de representante da ABEF, por membros da ABEG e da ABMS.

 

Ainda visando ao amparo das empresas associadas e do setor como um todo, o Diretor Jurídico da ABEF, Adv. Marco Aurélio Alves Costa, falou sucintamente sobre cláusulas genéricas contratuais de proteção, cujos modelos serão encaminhados por às empresas que participaram do encontro. A ideia é promover, cada vez mais, reuniões como essa, tendo o Diretor Presidente da ABEF colocado as instalações da associação à disposição de todos.

 

 

 

Share on Facebook
Please reload