ABEF, SINABEF E SINDUSCON-SP DISCUTEM MELHORIAS PARA O MERCADO DE ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES E GEOTECNIA

Representantes do SINABEF e da ABEF estiveram reunidos com diretores do SindusCon-SP para discutir as demandas do mercado e estreitar as relações entre as entidades, como forma de fortalecer o setor de engenharia e os mecanismos que podem ser usados para dar credibilidade às empresas sérias e que prestam serviço de qualidade.

Tanto o presidente do SINABEF, engenheiro Walter Iorio, quanto os diretores do SindusCon-SP ressaltaram a importância da desburocratização das relações das empresas de engenharia de fundações e geotecnia com as construtoras. “Esse contato é essencial para o crescimento e estabilidade da engenharia, assim podemos facilitar o trâmite para a contratação de serviços e prezar por qualidade e segurança nas construções”, afirmou o presidente.

O Sindicato das Construtoras de São Paulo já trabalha com um sistema que facilita bastante a fase de análise cadastral das empresas prestadoras de serviços. De acordo com o engenheiro Yorki Estefan, coordenador do Comitê de Tecnologia e Qualidade, o “Catraca Eletrônica” salva digitalmente uma série de informações e documentos das empresas e torna a fase de análise cadastral muito mais rápida e eficiente.

Entre os assuntos da reunião, foi constatada a desvalorização que estão sofrendo os serviços de fundação e geotecnia. Jorge Batlouni, vice-presidente de Tecnologia e Qualidade do SindusCon-SP, enfatizou ser absurdo comparar a responsabilidade técnica de um serviço especializado como o de fundação a outros procedimentos simples das obras civis. “Atualmente o preço pago por uma cravação de estaca é o mesmo que o da instalação de 1 metro quadrado de cerâmica. Isso não pode ser aceitável, pois trata-se de serviço com responsabilidade e técnicas distintas”.

Também presente à reunião, o diretor-executivo da ABEF e do SINABEF, Marco Aurélio Costa, esclareceu que a Associação lançará neste mês de novembro seu Atestado de Capacidade Técnica, após o já conhecido e respeitado Atestado de Regularidade Jurídica, também emitido pela Associação, desde o início de 2016. “Esses documentos são importantes para distinguir as empresas corretas, que trabalham de acordo com a ABNT, as NR’s do Ministério do Trabalho e das normas do Manual da ABEF, das empresas predadoras que trabalham à margem dessas regulamentações”, garantiu o advogado.

Além de ver como positiva a emissão dos atestados, os diretores do Sindicato afirmaram ter interesse em adquirir e divulgar o Manual de Execuções de Fundações: Práticas Recomendadas, elaborado pela ABEF, com a última atualização feita em 2016. “Seguir as orientações do Manual faz com que realmente tenhamos obras de excelência na área de engenharia de fundações e geotecnia”, garantiu Paulo Sanchez, também vice-presidente de Tecnologia e Qualidade do SindusCon-SP.

Ainda falando sobre assuntos importantes que envolvem as entidades, os presentes lembraram da Reforma Trabalhista e das mudanças que ela trouxe. Um dos pontos mencionados foi o da responsabilidade das empresas que contratam terceirizadas. Antes elas respondiam apenas como solidárias, porém com a nova legislação elas passam a ter responsabilidade subsidiária nas situações que possam repercutir sobre as relações trabalhistas e previdenciárias.

Por Assessoria de Comunicação ABEF/SINABEF

Compartilhar via: